Kallocaína, de Karin Boye

Eu me considero uma pessoa bastante curiosa. Estou sempre pesquisando sobre escritoras, diretoras e etc., mas o nome de Karin Boye nunca tinha passado por mim. Isso até que a Editora Carambaia publicou Kallocaína aqui no Brasil, com tradução de Fernanda Sarmatz Åkesson. Recentemente a editora lançou uma segunda edição da obra, dessa vez na Coleção Acervo, que possui preços mais acessíveis. Kallocaína é o … Continue reading Kallocaína, de Karin Boye

Tempo final, de Maylis Besserie

Maylis Besserie é uma escritora francesa que parou para imaginar como teriam sido os últimos dias de Beckett, numa casa de repouso. Ela escreveu tudo isso em Tempo final, que saiu recentemente pela Nós com tradução de Lívia Bueloni Gonçalves (que inclusive estuda Beckett). Eu sei quem foi Beckett, sei várias de suas citações famosas, sei da existência de Godot, mas nunca li nada dele. … Continue reading Tempo final, de Maylis Besserie

Erva Brava, de Paulliny Tort

Comentei em textos anteriores que me parece mais complexo escrever contos do que romances. Posso estar errada, mas a leitura me passa essa impressão. Raramente um começo de narrativa me fisga a atenção logo de cara, preciso de algumas páginas para me ambientar. No conto não há tempo para isso, às vezes é necessário prender o leitor logo na primeira linha. Paulliny Tort consegue exatamente … Continue reading Erva Brava, de Paulliny Tort

Costuras para fora, de Ana Squilanti

Ainda pensando nas mesas que vi na Flic e na que mediei nesta semana, atualizei meu CV aqui no site. Uma amiga até me perguntou se eu estava procurando emprego. Não, nada disso, apenas fico bem feliz de ter participado de uma lista tão bacana de eventos. Notei que a Ana Squilanti aparece em vários deles. Conversamos na Feira da Mário de Andrade e eu … Continue reading Costuras para fora, de Ana Squilanti

Você não vai dizer nada, de Julia Codo

Neste fim de semana estive na Flic, uma nova feira literária que acontece em Itu. Minha primeira vez na cidade, primeira vez viajando de ônibus depois de dois anos e primeira vez sem máscara, conversando, abraçando os amigos e conhecendo gente nova. Foi muito cansativo, mas foi uma experiência maravilhosa. Estar entre pessoas dos livros é o que me faz bem. A primeira mesa que … Continue reading Você não vai dizer nada, de Julia Codo

Um belo diploma, de Scholastique Mukasonga

O Leia Mulheres completou sete anos agora em março e sou muito grata ao nosso projeto. Foi por causa dele que eu conheci inúmeras escritoras sensacionais. Aprendi a procurar editoras novas, independentes, autoras pouco conhecidas no Brasil. Há alguns anos li meu primeiro livro da Scholastique Mukasonga, Nossa Senhora do Nilo. Pouco depois, li A mulher de pés descalços, ambos publicados pela Editora Nós. Sempre … Continue reading Um belo diploma, de Scholastique Mukasonga

Exosfera, de Flávia Rocha

Exosfera: é a camada mais longe da Terra, alcançando os 800 km de altura. É composta basicamente por gás hélio e hidrogênio. Nela encontram-se os satélites de dados e os telescópios espaciais. (Mundo Educação) Já falei de outros livros de poesia aqui neste blog e sempre venho com o mesmo discurso: eu não acho que poesia precisa ser entendida, mas sim sentida. Bem clichê e … Continue reading Exosfera, de Flávia Rocha

House of Psychotic Women, de Kier-La Janisse

Nem me lembro quando foi a primeira vez que topei com o livro da Kier-La Janisse. Nessas minhas pesquisas eternas sobre as mulheres no terror devo ter caído em alguma resenha e por muito tempo ele esteve na minha lista de desejados. Dólar alto, aquela coisa toda, nunca conseguia comprar. Até que um rapaz muito gentil, que acompanhava meus textos no Cine Varda, me ofereceu … Continue reading House of Psychotic Women, de Kier-La Janisse

Pagu no metrô, de Adriana Armony

Conheci Patrícia Galvão, a Pagu, há pouquíssimo tempo. Alguém me falou do livro Parque Industrial que estava fora de catálogo. Desde então, fiquei com o nome dela em mente. Veio essa enxurrada de comentários sobre a Semana de 22 e o nome dela voltou a aparecer por aí. Mas o engraçado é que Pagu não esteve de fato na Semana, ela tinha apenas 12 anos. … Continue reading Pagu no metrô, de Adriana Armony

Divindades solitárias, de Andreas Chamorro

Ano passado, numa noite de segunda-feira, saí para encontrar uma amiga escritora que estava em São Paulo. Lá chegando conheci o Andreas Chamorro, e bateu uma identificação de cara. Conversa vem, conversa vai, saí de lá dizendo que ele era meu novo melhor amigo. Num segundo encontro em me presenteou com seu livro de estreia Divindades solitárias, que ele publicou pela Kotter Editorial. O livro … Continue reading Divindades solitárias, de Andreas Chamorro