Vampiros brilham no escuro?

Recentemente me convidaram para escrever um artigo sobre Carmilla, a vampira lésbica criada pelo Sheridan La Fanu (quando estiver disponível eu linko lá no meu CV). Reli a obra e aproveitei para pegar todos os meus livros de vampiros da estante. Reli contos, li teorias, li fábulas, enfim, 35 anos e estou 100% imersa no mesmo vampirismo que me fascinava quando eu tinha 15 anos.  … Continue reading Vampiros brilham no escuro?

Uma vida grandiosa

Eu tenho essa mania, talvez duvidosa, de sempre pegar um livro triste quando estou mal. Parece que chorar pela ficção dá um alívio das dores reais. Aproveitei que meu clube de leitura escolheu Uma vida pequena, da Hanya Yanagihara (trad. Roberto Muggiati) e o passei na frente de outros livros nesse final de dezembro. Comecei a leitura numa manhã de domingo, após uma crise de … Continue reading Uma vida grandiosa

Os escritores e o álcool

Os últimos tempos estão mais difíceis para mim do que a pandemia toda. Tive problemas de saúde, a saúde mental está em frangalhos e a ansiedade está paralisante. Pensei em abandonar este blog. Eu não conseguia me concentrar em nenhuma leitura, então não tinha sobre o que escrever. Em 2018 tive uma fase bem complicada e minha maior companhia foi o livro A cidade solitária … Continue reading Os escritores e o álcool

Uma conversa fora das redes sociais

Hoje mais cedo eu tirei uma foto de duas recentes leituras e escrevi um texto para o Instagram. Achei estranho porque não consegui marcar pessoas, mas “apertei enter” e nada da postagem aparecer. Descobri que todas as redes tinham caído, todo mundo desesperado e etc. Aí me toquei que eu tinha feito algo que eu vivo condenando: dependi de uma rede social para entregar um … Continue reading Uma conversa fora das redes sociais

Diálogo ocasional

Há uns anos teve aquele boom das newsletters pessoais. Criei a minha e no começo enviava basicamente notícias do Leia Mulheres, links de textos e afins. Com o tempo eu transformei aquilo num diário puro suco dos blogs anos 2000. Eu falava da minha vida, de mim, dos meus gostos. Conheci várias pessoas legais por causa delas, mas um dia acordei com a sensação de … Continue reading Diálogo ocasional

Umas palavras sobre poesia

Em 2017 li o famoso Outros jeitos de usar a boca da Rupi Kaur. Eu estava no início de um tratamento para depressão e estava num relacionamento lixo. O livro bateu pesado para mim, me identifiquei com algumas passagens. Fizemos um encontro do Leia Mulheres sobre ele e lotou, principalmente de jovens, todas muito apaixonadas pelo livro. Passado um tempo, fui reler e não me … Continue reading Umas palavras sobre poesia

The fabulous freaks are leaving town

Pensei em ser clichê e intitular esse texto com The Carnival is Over, música do Dead Can Dance, mas optei por um trecho dela, para não ser tão óbvia. Hoje é quarta-feira de cinzas e eu estou muito feliz por isso. Andei por São Paulo e nem sinal do Carnaval, apenas os stories de festas passadas e o glitter no chão do metrô. A nossa … Continue reading The fabulous freaks are leaving town

I could sleep for a thousand years

Eu sou uma das coordenadoras do Leia Mulheres. Eu também faço mediação dos clubes de São Paulo. Eu escrevo sobre cinema no Cine Varda. Também falo de terror no podcast do Necronomiconversa, que também tem site. Fora isso, ainda tenho o trabalho e a vida. Eu tinha uma newsletter (que levava o nome desse post), mas desisti dela e vou concentrar tudo aqui. Espero postar … Continue reading I could sleep for a thousand years

Lords of Chaos

Conheci o Jonas Åkerlund por causa de seu filme Spun. Tive minha fase de amar filmes junkie, e esse era dos meus preferidos. O que mais me chamou atenção nele foi uma cena em que um cara está comendo de uma forma muito nojenta enquanto assiste ao clip de “Mother North” do Satyricon. Eu precisava saber mais sobre esse diretor! Fui atrás de mais filmes do … Continue reading Lords of Chaos